Cuidados, Dicas e Notícias
Depressão nos Pets: um problema real (04/05/2019)

Assim como em humanos, fatores dos mais variados levam um pet a entrar em depressão. Experiências traumáticas, perdas por morte ou abandono, introdução de um novo animalzinho em seu ambiente, sendo ele da mesma espécie ou não, mudança de ambiente ou mesmo de rotina subitamente, solidão, fome, frio, sede, dentre outras, são fatores que podem causar esse mal.

A diferença entre felinos e caninos é que os primeiros, naturalmente, precisam menos dos tutores por serem animais um pouco mais independentes, mas apresentam depressão e sinais clínicos semelhantes aos do cão. Nesse caso também vale lembrar que cada animal responde, diferentemente, de maneira individual ao fator exposto.

Percebendo os Sinais

São mudanças drásticas no comportamento e humor do seu animalzinho que podem te dar indícios de que a depressão está batendo à porta, mas às vezes uma vida muito corrida ou agitada pode fazer com que você demore a perceber que seu pet não está bem. Por isso dar sempre atenção e carinho ao seu animalzinho é a melhor forma de prevenção contra essa e outras doenças.

Os sinais de depressão podem se manifestar das mais variadas formas, desde uma pequena mudança comportamental, como defecar ou urinar em locais diferentes do usual, destruição de objetos, escavações, isolamento social, intolerância ao toque físico, lambedura de patas, como reações mais graves de agressividade, anorexia, apatia, vômitos e diarreia.

Tratamentos

Deu para ver que a depressão em pets possui vários motivos e o tratamento também pode variar muito de acordo com a causa.

A primeira coisa que você deve fazer é levar seu filho peludo ao médico veterinário para confirmar o diagnóstico, já que às vezes esses sintomas podem ser resultado de alguma outra alteração física no organismo do seu animalzinho.

Se for mesmo identificada a depressão, a primeira coisa é descobrir qual foi a causa. Se o motivo foi a perda de outro animalzinho que vivia na casa, por exemplo, levar seu cachorro diariamente para socializar com outros cachorros ou mesmo trazer um novo morador peludo para fazer companhia podem trazer de volta a rotina.

Ainda dependendo do caso ou do grau, o médico veterinário pode receitar alguns remédios para deixar seu bichinho saudável e feliz. Florais de Bach e homeopatia, por exemplo, têm demonstrado uma resposta significativa para o tratamento de depressão animal, porém há casos em que medicamentos alopáticos são necessários, como fluoxetina e buspirona.

Fonte: anda.jusbrasil.com.br
Assine nossa Newsletter
Mapa do Site