Cuidados, Dicas e Notícias
Cuidados preventivos evitam intoxicação (15/02/2012)

Animais domésticos, muitas vezes, estão sujeitos a intoxicações tanto acidentais como intencionais. Ainda alterações bruscas nas rotinas domésticas podem contribuir para acidentes, incluindo os envenenamentos.

De acordo com a médica veterinária Isabella Vincoletto, mudanças de casa, pessoas diferentes cuidando do pet, reformas ou novas construções também ocasionam o aumento no número de acidentes domésticos – sem contar que muitos proprietários descuidam no armazenamento de produtos químicos usados para a limpeza da casa, inseticidas e lixo, que não devem ser deixados expostos a esses “curiosos”.

Além de inseticidas, os carbamatos (os chamados “chumbinhos”) e as substâncias usadas em banhos contra carrapatos e sarnas são causas muito comuns de intoxicações de pets, podendo provocar a morte dos animais em casos mais graves. Ainda, o uso indiscriminado, sem prescrição médica, de anti-inflamatórios não esteroides e de medicamentos destinados a grandes animais ou humanos também podem ser nocivos à saúde do pet.

Por esses motivos, caso o animal de estimação esteja tomando algum medicamento, é importante que a administração do tratamento seja feita por uma pessoa preparada, sem a alternância do tratador. Isabella ressalta também que algumas plantas são venenosas e sua ingestão acidental pode estar relacionada ao aparecimento de sintomas de intoxicação. Por isso mantê-las longe do alcance dos pets é muito importante.

Ao perceber que um animal está envenenado ou intoxicado, deve-se levá-lo ao veterinário o mais rápido possível.

Algumas medidas, no entanto, podem ser tomadas antes ou durante o trajeto até a clínica, como os paliativos, para que haja tempo do socorro médico. “No caso da ingestão acidental de alguns tipos de venenos ou plantas por animais de estimação, pode-se provocar o vômito usando sal de cozinha (de 1 a 3 colheres de chá, via oral) ou água oxigenada doméstica (5 ml por via oral)”, orienta.

Contudo, cuidado: se a ingestão acidental tiver sido por uma substância corrosiva (ácidos ou bases fortes) ou substâncias derivadas do petróleo (como querosene), o vômito não deve ser estimulado. A alternativa é dar leite ou água ao bicho para diluir o veneno. Mas, em ambos os casos, se recomenda utilizar um carvão ativado – o que muitas vezes pode salvar a vida do pet.

O carvão ativado tem poder adsorvente (fixação das moléculas de uma substância na superfície de outra substância), sugando o material tóxico para seu interior e permitindo a eliminação nas fezes. “Já, quando a intoxicação derivar de um contato de substância tóxica com a pele ou os olhos, o ideal é lavar abundantemente a região afetada com água limpa, além de levar o pet ao veterinário para uma avaliação”, termina a profissional.

Assine nossa Newsletter
Mapa do Site